Bom dia, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Dezembro 2013

Na festa do tempo, um brinde à vida

Já sinto no ar um clima de euforia, um gosto de festa, e aexcitação natural que decorre dos preparativos para a chegadade alguém por quem muito se anseia e de quem muito se espera.Vestidos de branco, como manda o ritual, quando soaremas doze badaladas da meia noite, estaremos brindando, entrerisos e luzes, você e eu, o Ano Novo, e acenando, emocionados,para o Ano Velho que parte, sem expectadores e sem aplausospara a “Terra do Nunca Mais”.

Ainda ontem, pode-se dizer, tão rápida a sucessão dos dias,para ele se abriam as alas, e em sua homenagem se erguiamas taças de vinho, por entre cirandas e volteios. No estirão dotempo, os 365 dias ainda por vir, apenas se delineavam napenumbra do amanhã, e por entre a alegria, festejando a novacaminhada, se escondia a incerteza, guardando o seu segredo,o medo de não chegar ao fim da peregrinação.No levantardas taças, um pensamento sombrio, uma interrogação secreta:estarei presente na festa final deste novo ano?

Por privilégio,chegamos nós. Por generosidade da vida, dodestino, de Deus, assistimos o romper de todas as alvoradase o encantamento de todos os poentes, se aquietando nassombras da noite. E enquanto rodopiava a Terra em volta doSol, presenciamos a sua inquietação se vestindo e se despindode cores, de luz, numa volubilidade sem limite, trocando deroupagem.Vestiu-se a Terra de primavera, esparramadas asflores, em profusão, engalanou-se de verão,escandalosamenteiluminada, e de branco se tingiu quando a neve caiu sobre overde do seu chão.E, no outono, brincou de esmaecer o coloridovivo da folhagem e estiolou o dourado e o escarlate num tomde despedida.Testemunhamos, deslumbrados, a chuva de prataque, por magia, a errante andarilha, a lua, de presente, a cadamês, lançou à Terra, incendiando o coração dos apaixonados.Em versos, em canções, em serenatas, teceram suas guirlandasos poetas, os amantes, e junto ao coração eleito confessaram aentrega de si mesmos.

Privilegiados, participamos da beleza que campeia portodos os confins. E como um tributo a essa permanência, testemunhamostambém toda a feiúra e toda a ameaça que existee perdura, evidenciando a vulnerabilidade do ser humano e ainconsistência da matéria de que se reveste.

Foi-nos prorrogada a vida, para participar, testemunhar, esofrer na carne, como uma decorrência natural, as limitaçõese a fragilidade.A incerteza primeira foi superada e os dias queapenas se esboçavam se tornaram reais, nossos, e vivemos oano inteiro, batalhando entre alternativas de risos e de pranto,deexpectativas e de anseios Vencemos mais uma etapa, quando amuitos foi negado o trajeto e a meio se quedaram.

Agora, tudo se repete.Parte o Ano Velho, e o Ano Novo,com acenos, acalenta as nossas esperanças. Se, como um dom,outra oportunidade nos é dada, e prossegue a vida, se evidenciauma resposta à missão que nos é proposta.Não permanecemosnestas paragens e nestas veredas por mero acidente!

Cada um pode responder de uma maneira ímpar, e influir, emodificar este Planeta Azul, porque cada um é original e único.De alguns,muitos esperam pela competência e pelo talento,outros contam com a inteligência e a sensibilidade. Necessitamdo afeto e da compreensão. Se não houver omissões,o egoísmobaterá em retirada.Haverá menos dor, menos desigualdade,menos sofrimento.

Já ouço, longe, os passos do Ano Novo, chegando. Emalvoroço se põe meu coração, grato pelo privilégio de estarpresente ao ritual da festa. Mera convenção. Bem sabemos que,sem interrupção , é o tempo um interminável fluir de dias e denoites. Contudo, levanto a minha taça a esta fantástica alvoradae convido você para brindar a vida. _ À vida!

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -