Boa madrugada, segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Março 2009

Numa tarde de verão


Assisti à euforia da partida, a expectativa entre a proeza e o medo, as risadas de quem se propõe a uma travessura, o gosto da aventura.

Diante da imensa massa líquida ao se quebrar em gigantescas ondas ,se desfazendo em espuma rendada à beira da praia, o grupo de turistas discutia, brincava, posava para fotografias marcando o memorável instante, aguardando à hora de ganhar o mar na tosca jangada. Era uma tarde de pleno verão na praia do Iguape.

Imponente na sua simplicidade, grandiosa na sua ousadia, a jangada desceu a ribanceira sobre os rolos de madeira até o mar e deixou que as águas lhe lambessem o dorso, no ritual que se repete a cada dia, antes de se entregar, inteira. Dado o sinal, subiram todos, se agarrando às pressas ao mastro, ao samburá, aos rudes bancos, desajeitados, acenando, gesticulando, rindo.

Aberta a vela ao vento, pronta para seguir e já tomando rumo, a jangada se empinou diante da primeira onda que lhe lavou o piso. E correndo, veloz, foi singrando, enfrentando as ondas, uma a uma vencendo. Subindo à crista e tombando, se alteando e caindo, avançou mar adentro, na galhardia com que responde à carícia que lhe dá o vento.

Na beira da praia fiquei olhando, até que se distanciou, e se transformou, longe, num pequeno ponto. Distraída com a paisagem linda, o coqueiral, o trabalho das rendeiras nas choupanas de palha, nem sei quanto tempo velejou, mas quando me dei conta, vi que já estava voltando. Aliviada, suspirei, apreensiva, tanto eu sabia quão inaptos eram aqueles turistas para enfrentar o mar numa rude embarcação.

Agora, mais agitado, o mar refletia o céu cinzento, e nuvens escuras se formavam, ameaçando chuva. Intimamente me alegrava com a chegada, e parei para vê-los, tensa e medrosa ante as águas encrespadas. Foi quando, estupefata, presa a respiração, vi a gigantesca onda que se erguia, bem à retaguarda, e ameaçava açoitar a embarcação! Em segundos se levantaram as águas, verdadeira muralha, e a onda quebrou, forte, erguendo a jangada e arremessando-a! Sob o impacto, casca de noz oscilando, se inclinou mais para um lado, e despencou, lentamente, a branca vela. Virou a jangada! Deus nos acuda! De longe se podia avaliar o pânico, e os corpos que se jogavam nagua!

Num emocionante gesto de solidariedade, como se houvesse uma prévia com binação, a pequena multidão que, da praia, acompanhava a luta desigual, lançou-se ao mar, nadando ao encontro dos náufragos, obedecendo a um irresistível impulso de recorrer e salvar.

Fora o pânico, gritos, correrias, total nervosismo na palidez de cera nos rostos aturdidos, algumas escoriações provocadas pelo forte roçar das cordas e pelos paus quebrados, resultaram do passeio que poderia ter terminado em tragédia.

Cabisbaixo, mudo, sentado numa tauaçú, na branca areia, o jangadeiro tinha o olhar longe, perdido no vasto mar. O susto, a ameaça a tantas vidas sob a sua guarda, e o sentimento irremediável de perda, reduzida a destroços a jangada, a custo retirada do mar, davam-lhe a exata medida da fragilidade em que se firmava a sua vida. Para sobreviver, dependia e constantemente suplicava ao vento, às águas, às chuvas, ao mar.

Circunstancialmente ali se haviam juntado dois mundos, diferentes, e apenas por instantes dividiram preocupações e falaram a mesma linguagem. Um, de progresso, conforto e lucro fácil, de longe viera para desfrutar, como aventura, o quotidiano do outro, carente e dependente. Um, forte e bem nutrido, usufruía como diversão, de uma obstinada decisão de sobreviver do outro, temperada em maresia, no sol a pino, nas frias madrugadas em alto mar. Da difícil peleja, tinha no rosto profundos sulcos, e calejadas as mãos.

Herói, o jangadeiro! Sobrevive pela obstinação da própria vida em resistir, mesmo que para mantê-la, tenha que arriscá-la a cada dia!

Terrível paradoxo, pensei, ao vê-lo calado, cismando. E diante da injustiça, me acerquei, sem saber se deveria pedir desculpas ou perdão.

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

 

 


Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -