Bom dia, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Setembro 2008

Revolucionário que caga em penico


O Pio tinha em Quixadá uma casa bastante grande com amplo quintal.O quintal foi por longo tempo transformado em depósito de lixo. A grande quantidade de matéria orgânica fertilizou o quintal onde nasceu uma verdadeira mata de carrapateiras e outras plantas.

As instalações sanitárias da casa do Pio de há muito estavam interditadas. Utilizava-se como latrina um quartinho que havia muito bem no fundo do quintal. Para chegar-se lá tinha que ser por verdadeira picada através do espesso mato.

Um dia chegou a Quixadá um jovem universitário que ficou hospedado na casa do Pio. O moço assim que viu a latrina interditada foi logo perguntando:

- Onde a gente se desaperta?
- Lá no fundo quintal – respondeu o dono da casa, apontando o teto da distante casinha.
- É duro chegar-se lá de noite no meio de tanto mato, não é?
- O pior é que no quintal , vez outra, estão aparecendo uma jararaquinhas e uns “lacraus” – informou Pio, que adorava fazer uma perversidade daquelas.

Poucas horas depois , certamente devido ao clima psicológico criado, o jovem universitário já sentia umas insistentes ferroadinhas nos intestinos. Temeroso colocou o problema:

- Pio, parece que ando meio precisando... mas confesso, cadê coragem para entrar nesse matagal...será que não há jeito de s arranjar ao menos um penico para quebrar o galho?
- Arranjar o penico a gente arranja. Mas vou te dizer que não posso acreditar em revolucionário que caga em penico! Com tais revolucionários, adeus revolução!

Cagada Matinal

Nos primeiros dias de abril de 1964, o dia ainda não amanhecera, quando chegou á casa do Américo, uma patrulha militar para prendê-lo. Quem primeiro notou a casa cercada de homens armados de metralhadora foi Laís, minha cunhada.

O capitão que comandava, um sargento e os soldados subiram os batentes da casa da Napoleão Laureano. Bateram na porta com coices de armas. Américo abriu:

- O que desejam os senhores?
- Viemos prendê-lo, dr. Américo, o seu irmão Luciano acaso está por aqui?
- Não, meu irmão Luciano não está aqui...

O comandante da patrulha do Exército Brasileiro declarou solenemente :

- Dr. Américo esteja preso em nome da Revolução!
- Américo que devia tr enorme desprezo por tamanha estupidez, respondeu tranqüilo:
- E o mandado de prisão, capitão?

O capitão riu e, em poucas palavras, pretendeu explicar que os tempos estavam mudados:

- Não tem mais esse negócio de mandado, não, dr. Américo. Agora nos é que somos a lei!

A família toda chegara para a área onde a cena se desenrolava. Olenka, a mocinha de olhos azuis, fuzilou os militares com os olhos e gritou:

- Canalhas!

Os soldados brasileiros, que naqueles dias andavam país afora pisoteando leis e a Constituição, fizeram que não tinham ouvido o protesto da menina. Mas quando o rapazinho de 15 anos protestou também, um sargento lhe apresentou uma metralhadora. Percebendo-o Américo advertiu:

- Não adianta falar agora, filho, o argumento deles por enquanto é mais forte... Capitão, sou advogado e quero protestar contra a violação do meu lar alta madrugada. Quero protestar contra a instauração no meu país de um regime de força, apoiado na armadas que um dia foram compradas com dinheiro do povo brasileiro! Quero protestar diante de minha mulher e sobretudo dos meus filhos que são jovens e terão muita responsabilidade com relação ao futuro da nossa Pátria. Capitão! Só é legítimo o poder que emana do povo! Jamais terá legitimidade um poder que só se apóia nas miras das metralhadoras nos fuzis e nas pontas das baionetas!

- Estou cumprindo um dever... Obedeço a meus chefes, cumpro ordens – desculpou o jovem oficial que no mínimo poderia estar envergonhado.
- Então, permita que eu entre capitão. Vou me preparar para acompanhá-lo.
- Doutor, terei que acompanhá-lo para onde o senhor for de agora em diante. O senhor é meu prisioneiro, terei de acompanhá-lo!
- Então, capitão, venha. O senhor está convidado para acompanhar-me até a privada para assistir a minha cagada matinal.

Untitled Document

Luciano Barreira
Jornalista e Escritor

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Encontro de portugas. ora, pois, pois

– Setembro
Carta omante e consultas espirituais

> 2015

– Novembro
Tenóbio

– Outubro
Conversa Íntima Entre Dois Amigos Idosos

– Setembro
Conversa Íntima Entre Dois Amigos Idosos

– Agosto
A causa da desavença do casal

> 2014

– Dezembro
Pão De Queijo
– Novembro
Os novos comandos
– Outubro
Quando se tem o mesmo nome
– Setembro
Diálogo entre Dircinéia e Craudete
– Agosto
Cabaré processa Igreja
– Julho
As frases geniais e seus autores...
– Junho
Repassando...........
– Maio
O tal do “meia” em português...
– Abril
Coisas do Brasil
– Março
Enquete de São Pedro
– Fevereiro
Quando o trabalho dignifica o homem
– Janeiro
Reações inusitadas

> 2013

– Dezembro
Dicas judaicas de economia
– Novembro
Notícias de Lisboa
– Outubro
A Internet nunca substituirá o Jornal
– Agosto
A depressão da gorila
– Julho
Dicas para fazer sexo na 3ª idade:
– Junho
Repassando...........
– Maio
O tal do “meia” em português...
– Abril
Coisas do Brasil
– Março
Enquete de São Pedro
– Fevereiro
Quando o trabalho dignifica o homem
– Janeiro
Reações inusitadas

> 2012

– Dezembro
ASSALTANTE BAIANO
– Novembro
Tempos Modernos
– Outubro
O Grande Passo
– Setembro
Como a briga começa
– Agosto
O Grande Passo
– Julho
“Se um dia você tiver que escolher entre o mundo e o amor, lembre-se: se escolher o mundo, ficará sem amor; mas se você escolher o amor, com ele conquistará o mundo” Albert Einstein
– Junho
Exigências da vida moderna (quem aguenta tudo isso???) Haja fôlego!!!!!
– Maio
O amor não ilumina o seu caminho. O nome disso é poste
– Abril
Advogado x Engenheiro
– Março
Riqueza semântica
– Fevereiro
Diferença entre macho e muito macho
– Janeiro
Conseqüências da crise na Grécia:

> 2011

– Novembro
Show da língua portuguesa!
– Setembro
Despedida do TREMA
– Agosto
Considerações aleatórias
– Julho
Prezado Técnico
– Maio
15 dicas para fazer sexo na 3ª idade:
– Junho
Ensinamentos das MÃES DE ANTIGAMENTE
– Maio
Humor Negro ¨Branco Humor’’ Corrigindo velhos ditados
– Abril
Entre quimeras e devaneios (dos outros)
– Fevereiro
Bárbara é Udentista!
– Janeiro
Algodão, o novo éden
– Dezembro
A Flor do Araguaia
– Novembro
Homenagens póstumas
– Outubro
O Policial Pichado
– Setembro
Bárbara é udenista
– Agosto
Paixão Canina
– Julho
Se é traição conjugal...
– Junho
Um comunista competente e importante
– Maio
Comuna Paidégua
– Abril
Caçadores ou Cassadores
– Março
Esse Partido Existe!
– Fevereiro
Rompimento Ideológico
– Janeiro
Negro
– Dezembro
É como dente
– Novembro
Bem merecia uma medalha
– Outubro
Algodão, o novo éden
– Setembro
Revolucionário que caga em penico
– Agosto
Combata a crise, não combata Acrisio
– Julho
O Negócio é por tapas
– Junho
As Cabras do Caio
– Maio Os Poetas cantam,
os Idealistas choram



:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -