Boa tarde, sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2009

Avenidas dos ricos e dos pobres


A primeira casa nossa em Sobral foi o “palácio” do Bispo, como era chamado o velho sobradao que fora habitado por D.José. Fica à entrada da antiga rua Senador Paula, de frente `a Casa da Cultura antiga residência da família do saudoso secretario de agricultura de Parsifal Barroso, Chico Figueiredo.

À noite, desafiando as muriçocas, que eram vorazes, sentávamos- nos em cadeiras na calçada para receber visitas e trocar idéias. De frente, estavam as duas alamedas da Praça do S.Joao (onde fica o Teatro do mesmo nome). Eram a avenida dos ricos e a dos pobres. A dos ricos, era a da Ema, onde estava a ave que Agripino de Sousa,padeiro e poeta comprara para o jardim de sua bela casa à praça do S.Francisco e que ali não coube. Daí sua doação à prefeitura que a localizou na avenida, percorrida pelas moças e rapazes ricos e brancos. Pertinho da coluna onde se ouvia a amplificadora Radio Imperator. Ao lado, ficava a avenida dos pobres. Rapaz de sociedade que ali fosse, geralmente atrás de “cunhas”, assim se denominavam moças pobres, era malvisto e ficava logo manjado por suas notórias intenções.

O tempo passou na janela e fiquei adolescente. Que como todos os rapazes e moças freqüentávamos à noite aquela pracinha, detrás da Igreja do Rosário, acho que Mons. Linhares e depois a da coluna da hora, bem mais ampla. Não havia televisão. Os aparelhos de radio produziam mais ruídos que musica e noticias. A juventude ia passear na praça da coluna da Hora. As moças passeavam geralmente de duas ou em grupo, exibindo-se perante os rapazes que as observavam, de pé, fumando na calçada da avenida, à espera de um olhar da preferia.

Tenho a impressão de que foi ali na praça que levei fora de moça morena com sardas no rosto, pela qual estive perdidamente apaixonado. Como era tímido, passava, durante o dia, dez vezes pela rua onde ela morava, na esperança de que assomasse à janela.

Nunca trocamos uma palavra, tão inibido era eu. Uma vez, porem, criei coragem. “Fiz das tripas coração e a abordei no footing” da avenida. Não me lembra o que lhe disse exatamente. Ela,porém,o entendeu e me de um “chega pra lá”.dizendo-se “comprometida”. Não era noiva mas comprometida com um rapaz que estudava para o concurso do Banco do Brasil.

Foi triste a decepção. Nos meus 17 anos sonhava ser Papa, presidente da Republica ou governador do Estado. Pois bem. Era trocado por uma larva, uma expectativa de bancário que nunca se viabilizou. O cara encerrou o romance., da pior maneira,morrendo.Não noivou nem chegou a bancário.

Neste tempo, havia alto falantes que transmitiam, na praça, do alto do sobrado da farmácia das Irmãs Napoleão, a programação da Radio Iracema. Não saem de minha cabeça duas musicas que tocou, naquela noite, que eram Suburna e Valsa velha, tão boemia quanto seu cantor.

Os amos se passaram. Chegou 1978 quando fui candidato a suplente de senador na chapa de Chagas Vasconcelos, oportunidade fantástica de soltar, na praça publica. o grito contra a ditadura preso na garganta. Estava ali na praça da coluna da hora, no dia 15 de agosto quando me chega a noticia do nascimento de minha filha Sara. Ao saber do acontecido, Paulino de Rocha, homem de radio que apresentava os oradores, comunicou à multidão, ali reunida o nascimento da nova brasileira, pedindo, para ela, uma salva de palmas. E assim Sarinha, nasceu ante os aplausos da população sobralense.

Outros Blogs do Lustosa da Costa

http://sobralense.blig.ig.com.br/

http://sobralense.blog.uol.com.br/

http://sobralense.fotoblog.uol.com.br/index.html

Biblioteca Lustosa da Costa

http://biblioteca.sobral.ce.gov.br/index2.html\

(*) Lustosa da Costa (Sobral), jornalista e escritor.

Untitled Document

Lustosa da Costa
Jornalista e Escritor

                                            


:: Outras edições ::

> 2012

–Outubro
30 anos de “Sobral de meu Tempo"
–Setembro
Educandário S. José
–Agosto
Hábitos antigos
–Julho
Morrer não está com nada
–Frio em Brasília
Sucesso com louras em Paris
– Abril
Sucesso com louras em Paris
– Março
Lavar as mãos
– Fevereiro
O quarto senador

> 2011

– Novembro
Sem peúgas nem borzeguins
– Setembro
Chagas, o bom companheiro
– Agosto
Gente assim torna o mundo melhor
– Julho
Tarcísio Tavares/TT, uma saudade
– Maio
Os oitenta anos de Claudio Castelo
– Junho
Nada de perseguição
– Abril
Na Fazenda Pocinhos e no passado
– Fevereiro
Guerra ao Carnaval
– Janeiro
Tempo dos Retratos
– Dezembro
Chico Romano da Ponte
– Novembro
Última campanha
– Outubro
Cidade Luz
– Setembro
Oriano Mendes
– Agosto
Educandário São José
– Julho
Luiz Costa, meu tio inesquecível
– Junho
Os Manguitos das Moças de Sobral
– Maio
Um saudosista incurável
– Abril
Bairrismo de Sobral
–Março
A época dos “entas”
– Fevereiro
Avenidas dos ricos e dos pobres
–Janeiro
Uma Paula Pessoa de muita fibra
–Dezembro
Setenta anos de bom caráter
– Novembro
Discurso só conciso
– Outubro
Costa do IAPC
– Setembro
O Bispo Conde
– Agosto
Chico Romano da Ponte
– Julho
Por que não fui
– Junho
Mata o velho
– Maio
Por que publicar livros



:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -