Bom dia, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Março 2009

A época dos “entas”


“Um dia destes, depois de perguntar por muitos contemporâneos, dona Dolores brincou:” Até me surpreendo de estar ainda viva aos noventa e quatro anos de idade. Ainda não cheguei á idade de minha mãe, mas já estou, há muito, contando décadas e comemorando os entas. Mais de quarenta que me formei em Direito.Há cinqüenta que sou amigo do Lucio Brasileiro e do Frota Neto.Há sessenta comecei a estudar em Tianguá, com os frades alemães. Tem pior. Ou melhor? Daquele tempo, possuo colegas e amigos.

Filho da Santana

Um dia destes, deu - me na telha tentar descobrir o paradeiro de um colega de escola franciscana de Tianguá, do finzinho da década de quarenta, o João Batista Nogueira com quem, posteriormente, deixei o seminário de Ipuarana, em Campina Grande, em junho de 1953. Como quando a gente fica velho só conta os acontecimentos na casa dos enta, ia dizer que fazia cinqüenta e seis anos que não o via. Quando consegui localizá-lo, ele me advertiu para o engano .Porque ,quando residi no Rio em 1967,fui com outro colega de seminário,Antonio Carlos Martins Melo,- o que foi juiz federal até um dia desses,- visitá-lo em Teresópolis onde era comerciante e se elegeu vereador. Faz apenas 42 anos que não nos vemos. Nadinha.

***O Guimarães

Falei, aqui, de haver reencontrado outro colega destes tempos, o João Guimarães lá da Serra da Meruoca que atendeu a convite para participar da festa de lançamento de minha biografia, produzido pela jornalista Luiza Amorim. A ele vira, pela ultima vez,em 1953. Guimarães, talvez com remorso de haver dado o cano em Deus, de não se haver tornado frade, como era de esperar, comprou nesga da terra pertinho do prédio do seminário onde estudamos para cultivar agricultura orgânica, sem agrotóxicos. Será remorso ? Da mesma maneira, João Batista Nogueira deu a sua mimosa pousada entre Teresópolis e Friburgo a denominação de Hotel do Rio dos Frades. Estará atacado da mesma moléstia, remorso? Se eu for insistir em tal tese, haverá quem me acuse do mesmo, o de ter estudado em colégio de frades, porque o ensino era bom e barato, e não ter terminado como um deles, por só escrever estórias de sacristia que envolve padres e bispos? O certo é que João Batista prometeu estar presente, em Sobral, ao lançamento do livro de Luiza Amorim, se o prefeito Leônidas Cristino confirmar esta festa na Princesa do Norte, esticando depois à terrinha, Santana do Acarau, donde saíram outros amigos e colegas nossos de seminário, Valdeci Vasconcelos e Clever Rocha. Com relação aos dois cujo destino pesquisei e que tive o prazer de localizar, trata-se de amizade contraída entre 1949 e 1950, na Escola Apostólica S.José, de Tianguá. Ali, sofremos juntos a derrota da seleção brasileira para a do Uruguai, ouvindo a sangrenta disputa do radio portátil colocado na janela do quarto de frei Candido.

Tragédia

Penalizamo-nos quando soubemos que, em Santana, o pai de João Batista faleceu, ao transportar o corpo da mulher morta para a câmara mortuária. Os frades, muito generosos, acolheram seus três irmãos no colégio para que estudassem, sem preocupação de encargos financeiros. Batista já era prodigiosamente inteligente, mas tinha apenas 12 anos, sem condições, portanto de cuidar dos irmãos.

Passeata

De Guimarães, lembro que comandou passeata contra frade novato, frei Amando, que nos pareceu mais autoritário que outros patrícios. Ele o apelidara de Cascudo, por causa do brilho de sua careca e foi gritando tal alcunha que o seguimos pelos corredores. Não me lembro de punição por tal manifestação de rebeldia.

O provedor

Não sei se em Tianguá, Guimarães já virara o chefe do abastecimento informal do seminário, controlando a colheita de jacas, e conservando o fruto a salvo da gulodice dos outros, surrupiando ovos do galinheiro dos frades e uma porção de alimentos importantíssimos para matar a fome daqueles meninotes de onze, doze, treze anos, naquele clima ameno. Sei que ele desenvolveu tais dotes em Ipuarana para onde fomos depois de concluído o curso primário.

Frio

O de que recordo era do friozinho da madrugada, pois naquele tempo fazia frio nas serras cearenses. Fixava o olhar na telha de vidro, morto de saudades de casa. Estava envolto num cobertor azul ordinário, com lista vermelha que me espinhava e de que ainda hoje tenho horror.

Por que a procura

Fico me indagando porque ando atrás destes fiapos do passado, do meu passado. Será porque eles me devolvem aos onze, doze anos de idade, quando nos conhecemos? Rever amigos daquele tempo restitui-me, de alguma maneira, à infância, ao inicio da adolescência.

Outros Blogs do Lustosa da Costa

http://sobralense.blig.ig.com.br/

http://sobralense.blog.uol.com.br/

http://sobralense.fotoblog.uol.com.br/index.html

Biblioteca Lustosa da Costa

http://biblioteca.sobral.ce.gov.br/index2.html\

(*) Lustosa da Costa (Sobral), jornalista e escritor.

Untitled Document

Lustosa da Costa
Jornalista e Escritor

                                            


:: Outras edições ::

> 2012

–Outubro
30 anos de “Sobral de meu Tempo"
–Setembro
Educandário S. José
–Agosto
Hábitos antigos
–Julho
Morrer não está com nada
–Frio em Brasília
Sucesso com louras em Paris
– Abril
Sucesso com louras em Paris
– Março
Lavar as mãos
– Fevereiro
O quarto senador

> 2011

– Novembro
Sem peúgas nem borzeguins
– Setembro
Chagas, o bom companheiro
– Agosto
Gente assim torna o mundo melhor
– Julho
Tarcísio Tavares/TT, uma saudade
– Maio
Os oitenta anos de Claudio Castelo
– Junho
Nada de perseguição
– Abril
Na Fazenda Pocinhos e no passado
– Fevereiro
Guerra ao Carnaval
– Janeiro
Tempo dos Retratos
– Dezembro
Chico Romano da Ponte
– Novembro
Última campanha
– Outubro
Cidade Luz
– Setembro
Oriano Mendes
– Agosto
Educandário São José
– Julho
Luiz Costa, meu tio inesquecível
– Junho
Os Manguitos das Moças de Sobral
– Maio
Um saudosista incurável
– Abril
Bairrismo de Sobral
–Março
A época dos “entas”
– Fevereiro
Avenidas dos ricos e dos pobres
–Janeiro
Uma Paula Pessoa de muita fibra
–Dezembro
Setenta anos de bom caráter
– Novembro
Discurso só conciso
– Outubro
Costa do IAPC
– Setembro
O Bispo Conde
– Agosto
Chico Romano da Ponte
– Julho
Por que não fui
– Junho
Mata o velho
– Maio
Por que publicar livros



:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -