Boa madrugada, segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Novembro 2009

Última campanha


Ralph de La Cava, o grande brazilianist que escreveu sobre Juazeiro do padre Cícero,disse,ao ler "Sobral das cenas fortes" que a eleição do padre José Palhano de Sabóia para prefeito de Sobral cobriu de êxito a última campanha eleitoral da Igreja Católica do Ceará. Dotado de grande magnetismo pessoal, Palhano conquistou, primeiro,o coração do bispo que controlava,no fim da vida do voluntarioso antístite e depois de homens e mulheres da região.Criado,pelo bispo,como neto,cheio de mimos e vontades,na prefeitura brigou com todo o mundo e, por fim, hostilizou publicamente colegas sacerdotes e o bispo da cidade,sendo,por isso,excomungado, pena que somente foi levantada quando o Papa passou pelo Ceará.

A carreira poolitica de Palhano foi brilhante mas rápida. Logo apos exercer a prefeitura ,foi eleito deputado federal quando sofreu cassação do mandato e dos direitos políticos, sob acusação de malversação de dinheiros públicos,denuncia levada aos ouvidos do presidente Castelo Branco por militares da família do prefeito Cesário Barreto, ex-coordenador da campanha eleitoral do sacerdote.

Publico abaixo alguns tópicos envolvendo a fascinante personalidade de Palhano, capaz de conquistar o adversário mais renintente que se rendia a seus encantos e a seu sorrido.***

Em Sobral de minha infância e início da adolescência, o bispo,dom José Tupinambá da Frota exercia fortíssima influência sobre a cidade e a própria região. Era homem de severos costumes que tentava transmitir à Dom José Tupinambá da Frota, aluno prodígio em Roma, foi severo defensor dos bons costumes e da fé cristã. Dele se dizia que, seminarista ainda, nunca cortou as unhas em público, nem mesmo na presença da mãe e que,bispo, não gostava de sentar em cadeira antes ocupada por pessoa do sexo feminino. Não hesitava em falar das " messalinas que freqüentam nossas igrejas" para condenar damas da sociedade que pretendiam comparecer aos ofícios religiosos de vestidos decotados e sem mangas. Promoveu guerra contra a prostituição, o carnaval, o côco e tudo o que favorecesse o sexo fora do casamento.

Surpreende que, à sua sombra, residindo,com ele, no sobrado diocesano, seu "enfant gaté," Padre Palhano houvesse conquistado séria fama de Dom Juan com façanhas amorosas, cantadas em prosa e verso em jornais da capital cearense. No seu sofrido fim de vida, meu pai levava,em seu carro,o sacerdote para uma diálise. E este comentou,comovido: "Costa,eu que tive tantas mulheres,termino a vida sozinho".Minha mãe que vinha no banco de trás repreeendeu- o no ato,achando que aquelas não eram palavras de um sacerdote ao que ele pediu desculpas:"Desculpe,Maria,não me lembrei que vinhas conosco"

***

Quando decidi traçar perfil deste sacerdote que foi também dom juan e líder político, minha mãe disse:"Se teu pai fosse vivo,não escreverias este livro". Procurei traçar o retrato de Palhano sem os exageros das paixões que ele suscitava. E no tocante à sua vida sexual, contive-me, registrando apenas dois episódios que tiveram repercussão histórica.Um foi quando o padre João Mendes Lirta, depois historiador, ao flagrar o favorito do bispo em alegres folguedos com Maria Cabeluda, mulher de motorista da diocese, hesitou muito,antes de transmitir ao antistite relato dos fatos presenciados. Claro que o Bispo não acreditou, como não acreditava em nada que desmerecesse o filho amado a quem transmitiu a versão do outro.

Palhano ,sabendo da influência que exercia sobre o bispo,indagou ao final da reticente narrativa episcopal:

" E Vossa Excelência Reverendíssima acreditou? Não sabe que todo Lira é doido? O Lira tem visões e quer que a gente acredite nelas"

O bispo ficou satisfeito com a explicação e foi perguntando:

"O que é que a gente faz com ele?"

Palhano,dono da situação, deu a solução:

" É interna-lo no asilo de Parangaba. Ali é o lugar de doido.""

Lira foi afastado do sobrado do bispo onde residia ,sob reprimenda do dono da casa contra quem, décadas depois, escreveria perfil cruel.

Outro namoro de Palhano e seus encontros com a amada em apartamento do Excelsior Hotel rendeu no mínimo duas manchetes do Diário do Povo, de Jader de Carvalho " que,por isso mesmo, me senti na obrigação de registrar

****

Palhano era uma personalidade cativante a cujo charme não resistiam mesmo os inimigos a quem ele acusava de todos os vícios possíveis,em sua estação de radio.Quando decidiu ser candidato a deputado federal, o foi pela corrente adversária de Chico Monte, ate então sempre apoiado pelo bispo.

De Valdemar Albuquerque que era secretário prestimoso de dom José contavam as lendas que, terminada sua temporada de anos na Amazônia, juntou a família e tudo o que conseguira juntar para o futuro e tomou o barco rumo a Belém. A embarcação naufragou e ele perdeu bens e a família nas águas do rio.

Valdemar Albuquerque queria agradar dom José mas nem sempre escapava de suas cóleras. Uma noite, o bispo ficou inquieto com a demora do pe. Palhano de voltar da Serra da Meruoca. Andava dum lado pro outro, perguntando ao seminarista que, eventualmente, lhe fazia companhia: " Matuto, sabe pronde foi o pe.Zé?"

O bispo não escondia suas preocupações com a tardança do pupilo. E começou a falar, angustiado, quase desesperado , dos perigos da estrada, dos riscos de desastre, até de morte que ele corria, engendrados por seu amor de pai. Sem disto se dar conta, Valdemar foi em direção contrária à expectativa do bispo, dizendo:

" O senhor sabe que o Pe. Palhano não corre este risco porque dirige muito bem o jipe".

Exasperado, Dom José o expulsou do sobrado onde residia e ainda fechou pessoalmente a porta de casa, à sua saída . Ele ficou em casa prostrado, sem querer se alimentar, abalado com a humilhação .

Disto, o Bispo não inteirou o pupilo padre Palhano que depois de dois dias de ausência do secretário, foi procurá-lo. No leito, por mais que Palhano insistisse em saber das razões que o levaram a deixar de comparecer ao trabalho, Valdemar,a principio não quis falar nada, afirmando:

"Só Deus e o pe. Tiburcio sabem o que aconteceu comigo".

O pe.Tibúrcio estava presente à cena. Valdermar terminou voltando à rotina junto ao Bispo "

Outros Blogs do Lustosa da Costa

http://sobralense.blig.ig.com.br/

http://sobralense.blog.uol.com.br/

http://sobralense.fotoblog.uol.com.br/index.html

Biblioteca Lustosa da Costa

http://biblioteca.sobral.ce.gov.br/index2.html\

(*) Lustosa da Costa (Sobral), jornalista e escritor.


Untitled Document

Lustosa da Costa
Jornalista e Escritor

                                            


:: Outras edições ::

> 2012

–Outubro
30 anos de “Sobral de meu Tempo"
–Setembro
Educandário S. José
–Agosto
Hábitos antigos
–Julho
Morrer não está com nada
–Frio em Brasília
Sucesso com louras em Paris
– Abril
Sucesso com louras em Paris
– Março
Lavar as mãos
– Fevereiro
O quarto senador

> 2011

– Novembro
Sem peúgas nem borzeguins
– Setembro
Chagas, o bom companheiro
– Agosto
Gente assim torna o mundo melhor
– Julho
Tarcísio Tavares/TT, uma saudade
– Maio
Os oitenta anos de Claudio Castelo
– Junho
Nada de perseguição
– Abril
Na Fazenda Pocinhos e no passado
– Fevereiro
Guerra ao Carnaval
– Janeiro
Tempo dos Retratos
– Dezembro
Chico Romano da Ponte
– Novembro
Última campanha
– Outubro
Cidade Luz
– Setembro
Oriano Mendes
– Agosto
Educandário São José
– Julho
Luiz Costa, meu tio inesquecível
– Junho
Os Manguitos das Moças de Sobral
– Maio
Um saudosista incurável
– Abril
Bairrismo de Sobral
–Março
A época dos “entas”
– Fevereiro
Avenidas dos ricos e dos pobres
–Janeiro
Uma Paula Pessoa de muita fibra
–Dezembro
Setenta anos de bom caráter
– Novembro
Discurso só conciso
– Outubro
Costa do IAPC
– Setembro
O Bispo Conde
– Agosto
Chico Romano da Ponte
– Julho
Por que não fui
– Junho
Mata o velho
– Maio
Por que publicar livros



:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -