Boa noite, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Junho 2010

Um cearense acima de qualquer suspeita


O marechal Humberto de Alencar Castelo Branco (Messejana) era um homem simples. Fez brilhante carreira militar. Entrou para a História pela porta da frente, pelas transformações econômicas e sociais que promoveu no país.

Fugiu ao padrão do militar brasileiro, de épocas passadas, quadradão e prepotente.

Era suave nos gestos mas resoluto. Era homem de leitura, fino gosto e fino trato. Conhecia vinhos. Educado. Civilizado.

Exerceu importantes comandos. Chegou a general de brigada, depois de combater na 2ª. Guerra Mundial, na Italia. Seu ex-chefe na FEB, marechal Mascarenhas de Moraes, o levou para trabalhar consigo no Estado Maior das Forças Armadas, o EMFA, como representante do Exercito. De lá foi para a Escola Superior de Guerra, a Sorbone da Praia Vermelha, como professor de Estratégia, dali saindo para o Comando do IV Exercito, no Recife, e depois para o Estado Maior do Exército, no Rio de Janeiro, de onde foi escolhido por seus eleitores da Junta Militar para a Presidência da República, em 1964. No EMFA, chamou para trabalhar consigo o então sargento Osvaldo Quinsan, que o acompanhou e que teve papel relevante no seu governo na Direção da Fazenda Nacional e ao reequipar a Casa do Moeda o que permitiu ao Brasil imprimir seu papel moeda.

Os altos comandos lhe deram liderança sobre seus pares que foram descobrindo novos valores.

Jamais renegou sua condição de cearense, estampada em seu porte diminuto, cabeça grande e chata, orelhas de abano, o que lhe custaram apodos desagradáveis de Quasímodo, Tamanco e Sataruga, pronunciados intramuros pelos invejosos.

Austero na vida publica e privada, não há notícias de exageros. Não teve fortuna.Vivia modestamente.

Julgava-se um intelectual. Falava e escrevia em francês, estivera a França e lá estudara. Conhecia a obra de Machado de Assis e José de Alencar, de quem era parente. Um amigo certa vez foi surpreendido no Planalto por ele que lhe desejava que visse uma edição histórica de Dom Casmurro.

Reservado jamais, permitiu que alguém colocasse a mão no seu ombro, batesse na sua barriga ou lhe cutucasse. Homem de pouquíssimos amigos, entre eles o marechal Ademar de Queiroz e general Alfredo Malan. Queiroz lhe indicou os generais Ernesto Geisel e Golbery do Couto e Silva para trabalhar consigo, como chefe do Gabinete Militar e chefe do SNI. Malan, tido como seu principal amigo, teve a desventura de enfrentar o acidente do seu filho, 2º tenente da Aeronáutica, que colidiu seu caça a jato com o teco teco de Castelo, matando-o.

Luis Viana Filho, acadêmico bahiano, que foi chefe do Gabinete Civil, e escreveu densa biografia sobre Castelo, não era seu amigo. Chegou ao ministério por indicação de Bilac Pinto, que imaginava que Luiz Viana Filho, junto com seus amigos bahianos, Adonias Filho e Jorge Amado,pudessem colocar Castelo na Academia Brasileira de Letras, na cota dos exponenciais. Castelo tinha um sonho: chegar a ABL; Contou com o apoio da cearense de Rachel de Queiroz (Quixadá). Se Castelo nunca escrevera um livro, outros exponenciais, como Getulio Vargas e JK, também não escreveram. Alias a lista de acadêmicos sem livros é grande e oculta. A Academia optou por premiar o general Lira Tavares, também na cota dos exponenciais, por suas simplórias produções literárias.

Consta que antes do acidente, depois de uma longa viuvez, estaria para se casar de novo com uma moça do SNI, que conhecera. Uma virtude, era namorador.

Em 1964, quando os brasilienses imaginaram que o Rio de Janeiro voltaria a ser Capital da República, com o Palacio Laranjeiras, a pleno vapor, Castelo manteve o ritmo de desenvolvimento de Brasília, no que foi acompanhado pelos presidentes militares.

JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

 

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -