Boa noite, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Outubro 2010

Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda

A Casa da Moeda foi fundada em Salvador, em 08.05.1694, no Brasil Colônia, para cunhar moedas coloniais, que pudessem substituir as estrangeiras que aqui circulavam livremente. Em 1695, foram cunhadas as primeiras moedas oficiais, de 1.000, 2.000 e 4.000 mil réis, em ouro, e de 20, 40, 80, 320, e 640 reais, em prata, que ficaram na História como a “série das patacas”. Quase 150 anos depois, em 1843, a Casa da Moeda usando técnica de “intaglio” imprimiu o selo que entrou para a História da filatelia brasileira, “Olho de Boi”, fazendo do Brasil, depois da Inglaterra e Suiça, o 3º emissor de selo postal do mundo. Transferida para o Rio de Janeiro, em 1868, a Casa da Moeda ganhou modernas instalações na Praça da República, no Campo de Santana, produzindo moedas, selos e estampilhas.

No governo Castello Branco, em 1964, a Casa da Moeda subordinada à Direção Geral da Fazenda Nacional, dirigida por Oswaldo Quinsan, que trabalhara com o general no Estado Maior das Forças Armadas-EMFA. Castello não nomeara o ministro Octavio Gouvea de Bulhões para a Fazenda. Quinsan tinha projeto de modernizar a Fazenda (Receita) e fazer com que a Casa da Moeda fosse reequipada e passasse a imprimir o papel moeda, antes comprado às grandes fornecedoras mundiais, Thomas de La Rue e American Bank Note, que tinham lobistas no Rio de Janeiro a seu serviço, instalados nas imediações do Palácio da Fazenda.

Quinsan, que despachava e prestava conta de seus atos a Castello, usou fortes argumentos para reequipar a Casa da Moeda. Lembrou que na 2ª. Guerra mundial os alemães inundaram a Inglaterra com milhões de notas falsas de libra esterlina. A solução adotada pelo governo inglês foi de autenticar as notas verdadeiras e destruir as falsas. Um trabalhão. Os alemães já se preparavam para inundar a França de francos falsos e espalhar dólares falsos pelo mundo quando a Guerra acabou. Sensibilizou Castello que estava na hora de o Brasil produzir seu próprio papel moeda e terminar a dependência externa, ampliando o papel da Casa da Moeda que era restrito. Acentuou que a mudança do padrão monetário de cruzeiro para cruzeiro novo, efetuada por Bulhões, custara muito caro e ampliara os ganhos das multinacionais e dos lobistas. Alem do que o Brasil era dos poucos países com mais de 20 milhões de habitantes que não imprimia o seu dinheiro.

Castello deu todo apoio e mandou tocar. Um Grupo de Trabalho foi criado, presidido pelo comandante Nelson de Almeida Brum, indicado pela Marinha, para elaborar o projeto de lei, enviado ao Congresso e aprovado por unanimidade, No dia em que a lei foi sancionada, morreu Valentim Bouças, considerado um dos maiores lobistas das duas fornecedoras do papel moeda ao Brasil.

Do GT participaram representantes da PGFN, Fazenda Naciona e Bacen.

Quinsan incluiu no GT o então major Wilberto Luis Lima, do Conselho de Segurança Nacional, que chegaria a general de Exército e a ministro do STJ, para evitar que o ministro Bulhões travasse o projeto. O lobby jogava pesado.

A licitação da compra da maquinaria da Casa foi inicialmente vencida por uma empresa americana. O ministro Bulhões avocou o processo e anulou.Nova licitação e nova vitória da mesma empresa. Nova anulação. A 3ª.

Licitação foi vencida por uma empresa italiana chamada Gioia, bem defendida por neolobistas.

A modernização da Casa da Moeda, iniciada em 1964, se estendeu a 1969.

Em 1984, ganharia o parque de 500.000 metros quadrados, no Distrito Industrial de Santa Cruz, que permitiu ao Brasil produzir e exportar dinheiro para outros países. A velha Casa da Moeda, no Campo de Santana, foi cedida ao Arquivo Nacional que ali se instalou.

Quinsan acredita que desempenhou bem a missão na Fazenda Nacional e na Casa da Moeda que lhe confiou o Presidente Castello. Reconhece que nesta ação criou inimigos e adversários, “mas nada que alterasse meu objetivo de fortalecer a Casa da Moeda, colocar o Brasil no rol de países que fabricavam o seu dinheiro”.

Infelizmente, pelos desenganos da vida, a Casa da Moeda foi incluída no “mensalão”, da estrela vermelha pois os tentáculos dos corruptos lá se instalaram, manchando sua História de credibilidade e respeito.

JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

 

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -