Boa tarde, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Outubro 2015

Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

Osvaldo Quinsan nasceu em Caçapava, no interior de São Paulo, em 1920, de uma família de três irmãos, Gilberto e Hildo, que são tenentes reformados do Exército, foram combatentes da FEB, e Ítalo, suboficial da Aeronáutica que por 15 anos chefiou o tráfego aéreo de Belo Horizonte, e uma irmã, Leuza, “pra que não que houvesse lobisomem na Simples, audaz, refinado, austero, culto, mordaz, agnóstico, tem bom gosto, aos 95 tem nos amigos a referência. Fala do passado com reverência, do presente com indignação e do futuro com esperanças e sem ressentimentos.

Aos 10 anos (1930), encarou o trabalho infantil como marceneiro, com seu pai.

Aos 17 anos (1937), era marceneiro, analfabeto e andava de pés descalços.

Aos 21 anos (1941) deixou de ser marceneiro, foi convocado pelo Exército, começou a usar botas.

Aos 22 anos (1942), deixou o VI Regimento de Infantaria de Caçapava e foi pro Rio de Janeiro, para servir como datilógrafo no Estado Maior do Exército. Por saber datilografia, não foi pra Força Expedicionária Brasileira, FEB, que lutou na II Guerra Mundial, na Itália. No Rio, morou algum tempo na Rua Larga, hoje Marechal Floriano, próximo do QG do Exército, e depois na Ladeira da Glória, próximo do edifício onde morou o embaixador Gilberto Amado.

Aos 26 anos (1946), passou a trabalhar no Estado Maior das Forças Armadas – EMFA que estava se estruturando e onde ficou por três anos.

Aos 29 anos (1949) já como 2º sargento do Exército deu baixa e foi nomeado tesoureiro do Ministério da Fazenda pelo Presidente Dutra.

Aos 30 anos (1950) ingressou na Escola Nacional de Administração Pública-ENAP, do antigo Departamento Administrativo do Serviço Público-DASP, ambos fundados por Simões Lopes.

Aos 35 anos (1955) , concluiu o Curso Superior de Administração Pública, na Escola Nacional de Administração Pública-ENAP, Aos 36 (1956) anos, tornou-se professor da ANAP, onde ficou até 1961.

Aos 42 anos (1962), fez o Curso Superior de Guerra, como civil, na Escola Superior de Guerra, templo dos oficiais superiores das Forças Armadas e da elite civil.

Aos 44 anos (1964), foi nomeado Diretor Geral do Ministério da Fazenda, e substituto eventual do Ministro da Fazenda pelo Presidente Castello Branco, que conheceu no EME. Coube-lhe propor o reaparelhamento da Casa da Moeda Brasil importava seu papel moeda da American Bank Note e da Thomas de La Rue. Seu projeto de Cr$ 45 bilhões foi aprovado pelo Congresso e sancionado pelo Presidente Castelo, que rejeitou os vetos do ministro Otávio Gouvea de Bulhões, contrário à proposta. Neste ano, tudo fez para que a estimativa de receita federal de Cr$ 1 trilhão e 400 bilhões fosse superada. Nem o Ministro acreditava. Informou ao FMI que seria de 2 trilhões, mas chegou aos Cr$ 2 trilhões e 470 bilhões!

Aos 47 anos, (1967) foi vice presidente do Conselho Superior das Caixas Econômicas Federais, no Rio de Janeiro.

Aos 48 anos (1968) seu cargo de tesoureiro passou a fiel da Receita Federal.

Aos 50 anos (1970) foi chefe do setor de Informações da Divisão de Segurança e Informações da Petrobras, no Rio de Janeiro. O general Geisel era o presidente da Petrobrás e o conhecia pois foi o Chefe do Gabinete Militar do Presidente Castello Branco.

Aos 54 anos (1974) chegou a Brasília no governo do Presidente Geisel, como Adjunto de Imprensa da Secretaria de Imprensa da Presidência da República, dirigida por Humberto Barreto, engajado no projeto político de Geisel da abertura lenta e gradual, escrevendo diariamente o editorial de A Voz do Brasil, no ar entre 19 e 20 horas. Coube lhe atender os jornalistas credenciados na PR.

Aos 60 anos (1980) voltou a Petrobras, em Brasília.

Aos 62 anos (1982), foi colaborador, a leite de pato, da sucursal a Folha de São Paulo, em Brasília, graças a amizade com o chefe da Sucursal, jornalista Rui Lopes. Produzia notas para o Painel e colaborava com o artigo de fundo de Rui.

Aos 65 anos (1985) aposentou, dedicando-se desde então na 104 Sul aos poucos amigos, à pintura geométrica e simétrica em cores vivas (azul, verde e vermelha), aos pássaros e aos filhos.

Leu todos os clássicos franceses, italianos, ingleses, portugueses e brasileiros, poucos alemães e norte-americanos.

Como erudito, tem raiva da burrice, da ignorância e da estupidez humana.

Conhece a obra dos principais filósofos, pensadores e humanistas, como Erasmo de Roterdã (1466-1536) Montaigne (1533-1592) Baruch Spinoza, de Amsterdã (1632-1667), Voltaire (1694-1778), Kant (1724-1804), Hegel (1770-1831), Schopenhauer,(1788-1860), Disraeli (1804-1881). Todos, menos Schopenhauer com seus 213 aforismos e citações, eram metafísicos.

Não perdeu tempo lendo Marx, Engels, Lenin, Stalin, Mão, Castro e Lula. Leu toda a obra de Eça de Queiroz que considera o maior escritor da Língua portuguesa, quilômetros a frente do Prêmio Nobel português, José Saramago.

Conta que Disraeli, intelectual e político inglês, escreveu um livro que teve uma tiragem espantosa de 30 mil exemplares, em Londres, o que levou Ramalho Ortigão a dizer a Eça, com quem publicou o Conde da Rua da Palha, que era complicado pois tanto ele como Eça publicavam livros em Lisboa e vendiam apenas mil exemplares. Eça lhe tranquilizou: “ Ramalho, se quer vender mais livros, torne-se Primeiro Ministro da Inglaterra”...

É o homem das frases contundentes; Recordou um delas, de Wagner Estelita Campos, da ENAP e do DASP : “a melhor maneira de resolver um problema é agravá-lo”.

(*) JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -