Boa madrugada, segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Março 2012

Os Chefs Cearenses

Há quem diga que em todos os países do mundo há pelo menos dois os três cearenses, fazendo alguma coisa. Criativo, espirituoso e bem humorado o cearense não perde tempo, ocupa seu espaço com facilidade, astúcia e boa vontade. O que muita gente não sabia, ou não acreditava, era que o cearense também é bom na cozinha, entende do riscado. Será?

Estamos acostumados com garçons cearenses. O que pouca gente sabe é que os cearenses estão também, por aí dominando as cozinhas dos principais restaurantes do Rio, São Paulo e aqui de Brasília. E são respeitados. Um dos mais badalados restaurantes do Rio, o Antonio’, tinha um cearense na cozinha. Ficava no Leblon e era ponto de encontro de intelectuais e artistas nos anos 80. O jornalista Armando Nogueira em homenagem ao cearense cozinheiro Antônio foi quem batizou o restaurante como Antonio’s.

O jornalista João Bosco Serra Gurgel, que tem casa em Cabo Frio, conta que quatro bons restaurantes da cidade são de cearenses. O melhor deles o Picolino tem uma família inteira de São Benedito. A dona mora em Ipanema e entregou o restaurante aos cabras que o mantém em alto nível. A truta é incomparável, diz o Serra com a boca cheia dágua. O Hipocampos, a Toca do Assis e a Churrascaria

Encantado são de cearenses da Serra da Ibiapiaba. O Piantela, que fica na 202 Sul, é o mais tradicional restaurante de Brasília, frequentado por autoridades do governo, artistas, empresários, diplomatas, políticos e jornalistas. Os cearenses Gerardo “Palito” Maciel, de Santa Quitéria e Agenor Gomes, de Viçosa do Ceará, são os responsáveis pela qualidade da comida servida ali há mais de 30 anos. O austriáco Fred criou o Freds na 405.

Foi-se e o restaurante não acabou. Bem diferente do que aconteceu com o Le Français, que morreu depois de duas tentativas de salvação. O bom do Freds é o picadinho. Todos os cozinheiros e alguns garçons são cearenses.Viçosa e São Benedito são grandes fornecedores de profissionais de cozinha.

Lá na Serra da Ibiapaba, entre Ibiapina e São Benedito, no Ceará, tem um hotel escola, fundado por seu Chico para preparar cearenses como cozinheiros e garçons. Ele não quer que seus conterrâneos passem pelo que ele passou. Chegou ao Rio, sem profissão e foi ralar nos restaurantes como servente, depois lavando pratos. Ele teve sorte.

Foi trabalhar com o italiano Domenico Magliano na Sorveteria e Pizzaria La Mole, no Leblon. Quatro anos depois, o cearense Francisco Rego, conhecido como seu Chico, aquele mesmo que chegou lavando prato, assumiu a administração do La Mole que começou a ganhar filiais e a se transformar na primeira grande rede de restaurantes da cidade. Chico virou dono e hoje tem até fábrica de macarrão para abastecer suas casas. Estes são apenas alguns exemplos de cearenses que preparam a alimentação e servem nos restaurantes Brasil a fora, conquistando, inclusive a admiração do jornalista Roberto Marinho de Azevedo Neto, que foi o papa da crônica gastronômico no país.

Por mais de 30 anos assinou uma coluna no Jornal do Brasil, sob o pseudônimo de Apicius. Ele avaliava as cozinhas dos restaurantes como ruim, razoável, boa, muito boa excelente – ele conseguiu dar alma à gastronomia em forma de crônicas, Apicius se declarava um admirador dos cozinheiros cearenses a quem considerava os melhores chefs. E explicava: “os cearenses são geniais e um cearense bem ensinado é um grande cozinheiro. Talvez eles sejam como os japoneses, que nunca inventaram nada, mas na hora de reproduzir o fazem com tal competência que fica melhor que o original”. E dizia: “Os cearenses são os japoneses da cozinha”.

Os cozinheiros dos principais restaurantes do Rio, São Paulo e aqui de Brasília são cearenses.

(*) Wilson Ibiapina (Ibiapina), jornalista

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -