Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Maio 2009

O Tempo do Rádio


Antes da televisão invadir os lares de Fortaleza, a cidade se divertia ouvindo programas de rádio. Nos finais de semana esses programas eram ao vivo direto dos auditórios. A Ceará Rádio Clube alegrava a tarde dos sábados com o seu “Divertimento em Sequencia”, apresentado por Narcélio Limaverde. O Ayrton Rocha, que naquele tempo era o cantor Pequeno Ayrton, que era atração no Ceará, Pernambuco e no Rio, lembra que o primeiro apresentador do Divertimento em Sequência foi o Manoelito Eduardo. O segundo foi o Antonio de Almeida e o último foi o Wilson Machado. Domingo ,pela manhã, tinha “Clube do Papai Noel”, Seu primeiro e principal apresentador foi o Paulo Cabral, e que já no final foi comandado por Dudu, pai do Wil Nogueira, . À tarde, Augusto Borges fazia a “Festa na Caiçara”. A Rádio Iracema abria seu auditório domingo pela manhã para o “Carrossel da Alegria”, do Matos Dourado. Fechava o domingo com o Armando Vasconcelos apresentando o “Fim de Semana na Taba”. A tarde dos sábados era do “programa Irapuan Lima”, que se proclamava “O Chacrinha do Nordeste”...

A audiência tomava conta da cidade e outros programas foram criados para. atender ao grande público. Terça feira à noite ninguém tomava a audiência do “Noturno Pajeu”. João Ramos apresentava quadros em que pessoas do auditório participavam respondendo perguntas sobre história, geografia, conhecimento geral. Muitos professores compareciam ao auditório, no edifício Pajeu, para ganhar a grana do patrocinador que era o cigarro Globo. A fábrica Araken, ficava na avenida Duque de Caxias, bem perto de minha casa. A sirene dessa fábrica era meu despertador. Ao ouví-la, diariamente, levantava para ir à aula. Foi no programa do João Ramos que conheci o professor e jornalista Augusto Pontes. Ainda muito jovem, exibia seus conhecimentos faturando tudo quanto era prêmio. O professor Gabriel Lopes Jardim também acertava todas. Antes de cada sorteio João Ramos, com aquele vozeirão ia dizendo:

Dinheiro na mão é só tentação,

Dinheiro é mesmo um coloço

Aqui o dinheiro circula ligeiro

Ou vai para o bolso ou fica do pôço

Em todos os programas tinha a prata da casa. Eram os cantores e cantoras que interpretavam os sucessos do momento. Nas duas emissoras se apresentavam Nozinho Silva, o irmão dele, Solteiro, José Lisboa, que depois virou apresentador de programas. Tinha Joran Coelho e Carlos Alberto Laranjeiras. O seresteiro Otávio Santiago, Gilberto e Aloisio Milfon, Guilherme Neto, Paulo Cirino e suas Pastorasa. Entre as cantoras se destacavam, Aila Maria, Estelina Nogueira, Ivonilde Rodrigues e Keila Vidigal que cantava e dançava mambo, para alegria da meninada que chegava cedo para ocupar as primeiras poltronas. A artista oferecia um espetáculo à parte. Toda vez que exibia a calcinha, num requebrado mais ousado que o mambo exigia, o auditório delirava. Naquele tempo essa peça íntima era produto de raro encanto, não andava à mostra como hoje.

Tinha gente que não conseguia perder um só programa. Entre esses “viciados” estavam Marciano Lopes, Josberto Romero, Rocha Lima e o louro Célio, que ainda hoje frequenta programa nos auditórios das tvs, já que não existem mais nas rádios. Os doidos mansos da cidade também eram atraídos por esses programas. Tinha até dois Reis da Voz, os dois queriam de o Chico Viola. Um deles, o baixinho, dizia que era também o rei dos ciganos e o rei dos cornos. Os conjuntos que acompanham, os artistas eram o do Canhoto, na Iracema e o Regional de Moreira Filho, na PRE-9, mas tinha também os conjuntos que animavam as festas nos clubes e se apresentavam como atrações. Os mais famosos eram o do Paulo Tarso , Ivonildo e o do Alberto Mota.

O sucesso dos programas de auditório foi tamanho que se espalhou pelo interior. A rádio Araripe do Crato fez logo o seu sob o comando de Wilson Machado. Repercutiu tanto que o animador, como prêmio, foi chamado para trabalhar nos Associados em Fortaleza. No lugar dele ficou Edilmar Norões. Depois de pouco tempo à frente da Noite de Festas que levava alegria aos bairros nas noites das quintas, Edilmar, também se mandou pra Fortaleza.

As emissoras possuiam também orquestras que acompanhavam, os artistas, principalmente os que vinham de fora. Por elas passaram maestros famosos como Mozart Brandão, Cleóbolo Maia, Correa de Castro e Luiz Assumpção. Muitos músicos dessas orquestras se destacaram e fizeram carreira solo nas emissoras do Rio e São Paulo. Os mais famosos deles são o acordeonista Julinho e o instrumentista Zé Menezes .

Um dia eu cheguei tão cedo ao auditório da Ceará Clube para o Clube Papai Noel que peguei o maestro Luiz Assumpção ensaiando os meninos que iam se apresentar como calouros. O maestro, no intervalo de cada cantor, levantava a tampa do piano e tirava uma garrafa que estava junto às cordas. Dava um gole e guardava. De perto vi que era uma Colonial que ele secou antes do final do ensaio. Hoje acho que a bebida era mais para suportar os meninos chatos metidos a cantor do que para inspirá-lo a fazer músicas como Samariquinha ou Adeus praia de Iracema.

(*) Wilsom Ibiapina (Ibiapina), jornalista

 

 

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -