Boa madrugada, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Agosto 2009

Cearense anônimo, mas nem tanto


Quando o presidente Juscelino decidiu construir a capital do país no planalto central, muitos cearenses se animaram com a oportunidade para mudar de vida. Pedreiros, carpinteiros, ajudantes de obra, agricultores, comerciantes, fotógrafos, profissionalmente de 64.314 mil candangos que trabalharam o contingente de .64.314 mil candangos que trabalharam febrilmente na construção da cidade.

A maioria saída do Nordeste, principalmente Ceará, Maranhão e Piauí. De minha cidade, Ibiapina, ainda menino acompanhei a saída de ônibus e caminhões. A força jovem do interior do estado transportada em pau-de-arara, sem o menor conforto. Dias e dias de viagem em estradas esburacadas em busca do desconhecido. Deixaram com as famílias a esperança de um dia poder chamá-las para morar na cidade que ainda nem existia.

Vi meu tio Oséas saindo com os dois filhos mais velhos. Lembro também do dia em que voltou para pegar a família. Vestia calça cáqui de brim e calçava botas de canos longos, sujas de poeira, que ele dizia ser da obra. Quando cheguei aqui alguns anos depois ainda senti a poeira de Brasília, vermelha e fina, que o vento levantava em redemoinhos e espalhavam por toda parte.

A saga desses operários em construção não foi fácil. Acomodações precárias, trabalho diuturno, sem conforto, sem diversão.

O encarregado da construção, Israel Pinheiro disse um dia que a obra que deu mais trabalho foi a do Congresso Nacional. A sede do Poder Legislativo é quase uma cidade. Câmara e Senado com seus blocos de 28 andares em forma de H tinham tantos operários, que para transmitir as ordens foi instalado um sistema de alto falante. Depois das coordenadas e mensagens sobre turnos de trabalho, distribuição de tarefas, os engenheiros mandavam tocar música clássica para diminuir o estresse, acalmar os ânimos. Faltando poucos dias para a inauguração, Israel Pinheiro entrou em pânico, com medo que a obra não ficasse pronta. Foi quando teve a idéia de tirar a música clássica e colocar no sistema de som o tico-tico no fubá, de Zequinha de Abreu. Aí todo mundo passou a trabalhar no ritmo animado do chorinho e o Congresso foi inaugurado junto com os outros prédios.

O que mais atrapalhava a permanência em Brasília era a Saudade do Ceará, dos parentes que lá ficaram. O jornalista Clemente Luz veio de Minas e ganhava a vida escrevendo cartas para as namoradas, noivas e esposas dos candangos. Arranjou uma mesa e um tamborete e ficava na Cidade livre, perto do mercado, anotando (e às vezes melhorando) o que eles lhe ditavam, reproduzindo o sentimento puro e verdadeiro daqueles homens iletrados. -"Mulher – contava Clemente Luz- já saí do alojamento e agora estou morando Numa casa fiz com duzentas sacas de cimento". A mulher não pensou duas vezes. Vendeu tudo que tinha e se mandou para Brasília. Tamanha foi à surpresa quando descobriu que a casa existia, só que de papelão, construída com 200 sacas de cimento vazias. Um barraco que lhe serviu de Abrigo, a ela e aos filhos, enquanto durou a obra.

Nos 50 anos da cidade, fala-se com justiça em JK, no urbanista Lúcio Costa, no gênio imortal de Oscar Niemeyer, no paisagista Burle Marx, em Israel Pinheiro, Bernardo Sayão e nos milhares de candangos, os verdadeiros heróis dessa epopéia. Quem são, quantos foram? Não há registro dos nomes. Trabalhavam para empresas de construção que trocaram de dono, de cidade ou já não existem.

Passado meio século, uns tantos já morreram, outros voltaram para o Ceará, mas alguns ainda estão por aqui, anônimos, vivendo numa das 30 cidades satélites do DF, onde curtem as lembranças do tempo em que tudo começou e do duro que deram para erguer a cidade monumento. .

Mas como soldados na guerra, viraram heróis anônimos. Seu feito de bravura é que garantiu a vitória final, e hoje é história compartilhada apenas pelos familiares, os amigos mais íntimos. Como na guerra, o herói anônimo que saiu do Ceará e veio com toda a sua energia misturar seu suor a cimento, cal, pedra e tijolos, para transformar isso tudo em Brasília, é lembrado hoje no principal logradouro da capital. Ao sacrifício dos que trabalharam na construção.

Está lá na Praça dos Três Poderes, quase em frente ao Palácio do Planalto, a escultura em bronze do artista plástico Bruno Giorgi, altiva e esguia nos seus oito metros de altura. Ele a batizou de Guerreiros. O povo veio por trás e apelidou de Dois Candangos, numa homenagem simbólica ao sacrifício dos que trabalharam na construção.

Ela é a lembrança permanente dos cearenses sem medo, que largaram seu chão rumo ao Planalto Central atendendo ao apelo de JK, sonhando com o Eldorado, a terra prometida onde jorrava leite e mel como no sonho de Dom Bosco. O cearense candango sem nome, mas que deixou em Brasília a marca de sua mão e de sua esperança.

(*) Wilsom Ibiapina (Ibiapina), jornalista

 

 

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -