Boa madrugada, segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Maio 2010

Jornalista, que profissão!


Não tem nada mais difícil. Ser jornalista não é terminar a faculdade, pegar a carteirinha e sair por aí. É pior que médico. Digo mais: pior que prostituta.

As meninas param na sexta-feira santa. Barriga vazia, cansaço, sol quente, uma árvore.

Pois é debaixo dessa sombra que a gente começa a delirar enquanto espera a autoridade. Ninguém respeita o jornalista. É visto como chato, bisbilhoteiro, profissional que está sempre falando dos outros. Político adora usar jornalista para fazer média, mandar recados ou encher balão de ensaio.

No Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF a ficha de cada sócio, batida à máquina, tinha duas áreas que a secretária preferia preencher a lápis. O estado civil e o órgão em que o jornalista está trabalhando. A explicação da funcionária é simples. É que jornalista troca de mulher como troca de emprego.

Dura mais quando jornalista casa com jornalista. Qualquer um fora da profissão não aguenta. É que não tem hora pra nada. E tem hora pra tudo.

Jornalista já foi profissão de poeta, escritor, artista. Jovens defensores da comunidade que se reuniam em bandos e fundavam um jornal para brigar pelo bairro, pela cidade, pelas idéias. Tinha que ter uma convicção. Quando morria o mais velho, o diretor, o redator assumia o lugar dele; o repórter era promovido a redator; o foca virava repórter e lá estava a oportunidade para mais um foca. E por aí, ía todo mundo voltado, literalmente, para o interesse público, para a cidade, para o cidadão, sua arte, sua cultura. Sabe que ninguém pensava em dinheiro?

Não havia questão maior que não fosse resolvida na mesa do bar. Jornalismo boêmio. Mas todo mundo defendia uma causa. Profissão de quem gostava de escrever e se comunicar. O jornalista era igual policial. Estava sempre trabalhando. Até que a imprensa virou empresa. O jornalista Evandro Paranaguá foi quem abriu meu olho: Essa liberdade de imprensa que você reclama, não é sua. É do patrão.

E foram surgindo as faculdades de comunicação que despejam no mercado milhares de jornalistas, todo ano. As empresas do setor parecem que diminuem.

A pirâmide fecha. Não se leva mais em conta a experiência, o tempo de casa. Reduz-se a vida útil do jornalista. Profissão rápida, descartável. Jornalista velho só dá trabalho. Reclama da pauta, contesta, não aceita virar dia e noite, como antigamente. Por que não trocar uma criatura dessa, que ganha muito (???) por um jovem, cheio de tesão, sem escrúpulo, topa qualquer pauta. E, se for na TV, pula no rio, anda na chuva, galopa a cavalo, até transa em público, por que não? Jornalismo participativo. Jornalista quando começa a questionar a pauta, achar que tal matéria não deveria ter sido assim, assado, começa a dar sinal que seu salário pode contratar dois, três, sei lá quantos estagiários.

Não adianta ficar bravo. O estagiário de hoje vai ser o chefe de amanhã. Vai reclamar dos futuros subordinados as mesmas coisas que lhes são cobradas hoje. A notícia agora tem que acontecer como o pauteiro imaginou. Azar da mulher que desistiu de ficar nua em praça pública; do governante que não aderiu ao novo partido como queria o chefe da redação. A coisa tá ficando muito louca. Quando não aparece um bandido para ameaçar as pessoas, a redação inventa.

Taí o Gugu, que se diz jornalista, criando pautas que correspondam a linha que quer imprimir ao programa dele, para angariar mais audiência. Domingo, Legal.!

Como em toda profissão, tem os que querem se aproveitar para ganhar dinheiro. Um colunista de jornal, no Rio, era tão venal que Antônio Teixeira Junior, ex-diretor da sucursal de O Globo em Brasília, criou um slogan pra ele: “Coluna “X” onde uma nota vale uma nota”. Assim como os jogadores de futebol tem jornalista que ganha bem. São poucos. Amaioria mora mesmo é de aluguel em cidade satélite.

A intimidade com o poder, às vezes, faz com que o jornalista se sinta importante, celebridade.

A jornalista Cristina De Lamônica mandou – me uma pesquisa feita pelo professor Roberto Heloani para o pós-doutorado dele na Escola de Comunicaões e Artes da USP. O professor, que é advogado, psicólogo e mestre em administração de empresa descobre que “a vida pessoal dos jornalistas é precária, com falta de relacionamento familiar por conta das excessivas jornadas de trabalho e vínculos afetivos que se desfazem rapidamente. Eles trabalham em quase todos os finais de semana, mas em compensação resistem bem ao estresse, inclusive se dedicando com paixão à profissão, e nutrindo por ela uma relação de amor e ódio. Nas redações, o ritmo de trabalho a que se submetem é estafante, com jornada de 12 horas e às vezes, até mais, e estão expostos ao assédio moral e ao rígido controle social.

(*) Wilson Ibiapina (Ibiapina) jornalista

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -