Boa tarde, sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Setembro 2012

No Ceará é assim

Fiquei pasmo quando vi o comerciante agindo sem o menor interesse em faturar. A Edilma, minha mulher, foi quem perguntou ao dono do bar restaurante, um dos poucos que existiam na praia do Icaraí, em Caucaia, no inicio dos anos 80: -O que temos hoje para o almoço?

Ela que não é cearense, não quis acreditar no que ouviu como resposta:

- ‘‘Queira não. O cozinheiro faltou e quem está na cozinha é minha mulher. Ela não sabe fazer nada.”

Na mesma praia, em outro bar restaurante, presenciamos um turista paulista pedir 20 sanduíches pra viagem. O dono também desnorteou o fregues recém chegado de uma cidade que privilegia o lucro: “-Home, isso dá muito trabalho. Leve só salame. Compre o pão ali na padaria e faça sua merenda em casa”. O paulista foi embora sem entender nada.

O jornalista Macário Batista diz que ouviu do repórter Hermann Hesse história semelhante. Hesse e o cinegrafista Edilson Pires foram de Fortaleza a Jijoca, fazer uma reportagem. E é o próprio Macário quem conta: “Chegaram com o dia amanhecendo. Pararam numa bodega e viram tapioca, cuscuz,caldo, pão dormido e uma garrafa de café. E havia uma cesta de ovos. Hermann Hesse perguntou a uma senhora, que tinha cara de dona, se ela podia fritar uns ovos pra ele e o cinegrafista. Olha a resposta da mulher; “Faço nem pra mim!”

Oscar Wilde dizia que “pouca sinceridade é uma coisa perigosa, muita sinceridade é absolutamente fatal”.

Será sinceridade demais a desse povo?

Juro que não sei se esse modo de agir é preguiça, malicia, ironia ou apenas a pura verdade dita com a simplicidade do povo do sertão. O fato é que no Ceará é assim .

Pouca gente lembra que a rua 25 de março, em Fortaleza, é uma homenagem a libertação dos escravos no Ceará. Ocorreu em 1884, quatro anos antes da princesa Isabel assinar a Lei Áurea que libertou os escravos no Brasil. A data 13 de maio virou rua, também, em Fortaleza.

Acarape foi o primeiro núcleo urbano a abolir a escravidão em primeiro de janeiro de 1883. Virou Redenção. Fortaleza fez o mesmo no dia 24 de maio do mesmo ano. Há quem pense que chamam o Ceará de terra da luz por causa da intensa luminosidade do Sol. O título foi dado pelo jornalista abolicionista José do Patrocínio, em artigo que escreveu de Paris, onde se encontrava na ocasião.

Pode-se dizer que os principais líderes do movimento abolicionista no Ceará foram João Cordeiro e o jangadeiro Francisco José do Nascimento, conhecido como Chico da Matilde. O ex-vice-governador fundou o jornal Libertador e a Sociedade Cearense Libertadora, que apoiaram o movimento dos jangadeiros. Liderados por Chico da Matilde não deixaram sair nem desembarcar escravos no porto de Fortaleza. Chico da Matilde virou o Dragão do Mar. O Ceará quase não tinha escravos e assim foi mais fácil libertá-los.

O Brasil foi último país do continente a abolir a escravidão. A Lei Áurea não indenizou os negros que foram abandonados à própria sorte.

Barão de Sobral foi o primeiro
Procurador Geral da República

Wilson Ibiapina (*)

O Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, em evidência por causa do julgamento dos réus do mensalão, segundo ele, o “mais atrevido e escandaloso caso de corrupção e desvio de dinheiro público” da política nacional, será um dos que vão receber a Sereia de Ouro, troféu outorgado pelo Sistema Verdes Mares de Comunicação a cearenses que se destacaram durante o ano. Roberto Gurgel subsitutiu no cargo o cearense Antonio Fernando. Mas teve mais um cabeça chata no comando da Procuradoria Geral.

Foi justamente Roberto Gurgel que, a titulo de curiosidade, me disse que o primeiro Procurador Geral também era cearense. Fui atrás para saber quem era e descobri que José Júlio de Albuquerque Barros, primeiro e único barão de Sobral, nasceu na Princesa do Norte em 11 de maio de 1841. Era filho do juiz e ex-deputado provincial e João Fernandes Barros e de Luísa Amélia de Albuquerque Barros.

Foi secretário do governo dos presidentes da província do Ceará Lafayete Rodrigues Pereira e Francisco Inácio Marcondes Homem de Melo.

Foi deputado à Assembléia Geral do Ceará na 13ª legislatura, de 1867 a 1870.

Foi presidente da província do Ceará, nomeado por Carta Imperial. Fuicou no governo cearense de março de 1878 até 2 de julho de 1880. Foi também presidente do Rio Grande do Sul.

Após a proclamação da república foi nomeado ministro do Supremo Tribunal Ferderal. Por decreto de 3 de março de 1892 foi nomeado primeiro Procurador-Geral da República, exercendo o cargo até morrer em decorrencia de uma hérnia estrangulada.

Foi agraciado com o grau de cavaleiro da Imperial Ordem da Rosa e os títulos do Conselho e de Barão de Sobral, em decreto de 19 de janeiro de 1889.

(*) Wilson Ibiapina (Ibiapina), jornalista, leia também no blog Conversa Piaba: http://conversapiaba.blogspot.com.br/

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -